Designyou
canfeel

Resultados para “Keyword

Projetando para neurodiversidade: workplaces construídos para a inclusão

Compartilhar:

Você é único. Não há mais ninguém como você no mundo. Você pensa de uma maneira específica, faz as coisas de acordo com o que você sente e reage de acordo com isso.

A importância de se concentrar nas pessoas como indivíduos tem sido exacerbada pelos efeitos da pandemia. As empresas estão priorizando a saúde e o bem-estar dos trabalhadores, como refletido por políticas flexíveis e acomodatícias. Mas a inclusão não pode parar por aí. E as pessoas com neurodiversidades? É hora de termos esta conversa - uma em cada sete pessoas no Reino Unido é neurodivergente e, globalmente, 90% das deficiências não são visíveis (NeuroTribos, Steven Silberman).

Não é nenhum segredo que alguns dos maiores pensadores e pessoas de maior sucesso são neurodivergentes. Vejamos Elon Musk, que fez história e quebrou a internet quando anunciou no SNL que tem Asperger's. No entanto, isso não o impediu - pode até ter lhe dado uma vantagem sobre os outros. "Devemos celebrar a neurodiversidade pelo que ela é - é uma superpotência", diz Vivek Menon, Diretor Global de Gerenciamento de Produtos e presidente da Rede de Neurodiversidade da JLL. "As pessoas com neurodiversidade pensam sobre as coisas de maneira diferente e pensam fora da caixa". Elas são um ativo para qualquer organização, mas as empresas precisam projetar seus espaços de escritório com elas em mente".

Ao projetar para a neurodiversidade, é importante entender que as pessoas têm experiências sensoriais e que o projeto afeta todos os nossos cinco sentidos. Ter em mente luz, acústica, cor, seqüenciamento, compartimentação, transições, sentidos, fugas e a recuperação permitirá criar um espaço que não só funcione para aqueles com neurodiversidades, mas que funcione para todos e suas personalidades.

O uso de luz natural ao invés de iluminação artificial brilhante torna o escritório da Lenovo em Madrid, Espanha, mais confortável para todos
Cabines privadas são uma boa opção para pessoas que precisam escapar do barulho do escritório, como esta no escritório da PepsiCo em Joanesburgo, África do Sul

Menon reitera este sentimento, dizendo que "quando você projeta de forma inclusiva, isso não só ajuda aqueles com mentes neurodivergentes, mas também aqueles que talvez tenham personalidades diferentes; podemos criar espaços para introvertidos, extrovertidos e qualquer um que esteja entre estes dois polos".

Dar atenção à acústica de um espaço pode tornar um ambiente mais confortável para aqueles sensíveis ao ruído, como os escritórios Facile.it que construímos em Milão, na Itália.
A biofilia é central no o espaço que projetamos para o escritório da JLL em Manchester, Reino Unido.

"A idéia de design inclusivo e de projetar espaços para pessoas neurodivergentes na verdade se casa bem com o nosso Código de Sustentabilidade Tétris, que não só procura criar espaços de trabalho ecologicamente corretos, mas também é mais inclusivo porque estamos levando em conta a saúde e o bem-estar quando projetamos. Estamos incorporando coisas como biofilia e espaços verdes, que não só atingem nossos objetivos de sustentabilidade, mas também ajudam com o bem-estar, uma vez que está provado que o fato de estarmos ao redor da natureza aumenta o humor das pessoas, o que será uma grande ajuda para aqueles com neurodiversidades", diz Ines Cabrita, Chefe de Design da Tétris Portugal.

Projeto centrado no bem-estar

Em nenhum lugar isso é mais evidente do que no escritório da Natixis no Porto, onde a Cabrita criou um projeto que torna o escritório um destino. "As pessoas que são neurodivergentes podem às vezes ter resistência apenas com a ideia de ir para o escritório, especialmente se não for um espaço acolhedor que possa acomodar todas as suas necessidades. Quando começamos o projeto, eu sabia que era importante criar um destino para o qual as pessoas se sentissem inspiradas e realmente quisessem se deslocar".

Para isso, Cabrita e sua equipe de designers criaram um conceito de 'aldeia' para refletir o negócio global da Natixis - cada aldeia encerra a cultura de um local onde a empresa tem escritórios e presença no mercado.

"Uma coisa que precisamos entender é que quando você está projetando para a neurodiversidade, você precisa projetar com todos os cinco sentidos em mente para criar uma experiência imersiva ao invés de apenas um escritório onde as pessoas trabalham. Isto incentiva as pessoas a voltarem ao escritório porque sabem que há uma experiência sensorial ou um espaço de trabalho que se adequará à sua personalidade, à forma como trabalham e acomodará qualquer pessoa que seja neurodivergente ou que tenha uma deficiência".

Cada um desses vilarejos não só tem espaços de fuga para o trabalho individual e colaborativo, mas também leva elementos naturais encontrados em cada um desses países e os dá vida, de modo que o projeto não é apenas inclusivo, mas também sustentável. Cada parte do escritório foi projetada com o bem-estar, a inclusão e a neurodiversidade em mente.

Desde os bazares de Mascate com estações de chá aromatizadas e um espaço de duna de areia para relaxar, até a área inspirada na parede de cortiça do Porto, onde você pode desfrutar de uma acústica que cancela o ruído, todos os cinco sentidos foram pensados em cada decisão de projeto tomada.

"Nós queríamos um lugar onde as pessoas pudessem realmente se desligar", continua Cabrita. Na aldeia de Tóquio, recorremos à tradição das cerimônias do chá". Temos um tearoom seccionado para as pessoas desligarem seus aparelhos e meditarem, ou simplesmente terem algum tempo tranqüilo para si mesmas". Estávamos cientes de que muitas vezes nos escritórios, as pessoas não têm a oportunidade de se desconectar totalmente e relaxar, por isso o tearoom foi importante, porque algumas pessoas podem experimentar uma sobrecarga sensorial. Com esta sala de chá sem Wi-Fi, elas podem deixar para trás a agitação do mundo exterior e ter tempo para se recarregar, relaxar e espairecer".

Visualização 3D da aldeia Natixis no Porto, Portugal - Mascate
Visualização 3D da aldeia Natixis no Porto, Portugal - Mascate
Visualização 3D da vila Natixis no Porto, Portugal - Tóquio

O segredo está nos detalhes

O design inclusivo incentivará as pessoas a voltarem ao escritório depois de mais de um ano de trabalho em casa. Se o escritório for mais do que apenas um lugar para trabalhar e permitir que as pessoas realizem outros aspectos de sua vida, tais como exercício e socialização, as pessoas farão o esforço para voltar. No entanto, o design inclusivo não se trata apenas de neurodiversidade - trata-se também de acessibilidade.

"Trabalhamos para uma empresa global, mas nem todos entendem os mesmos idiomas", diz Carolina Ferreira, uma designer da Tétris Portugal. "As empresas globais precisam ter certeza de que seus sinais sejam compreendidos por qualquer pessoa que possa usar o escritório, independentemente de sua origem". Pode valer a pena explorar o uso de símbolos de compreensão universal ao lado de sinais escritos para que todos possam entender". Acho que todos nós poderíamos ir um passo além e até incluir placas em braile para que os deficientes visuais possam navegar por espaços de maneira mais fácil e possam chegar aonde quer que seja de forma independente - isto poderia realmente fortalecê-los".

Reimagindo seu escritório para pessoas neurodivergentes e pessoas com necessidades especiais não só as beneficia, mas também a todos aqueles que visitam ou utilizam seu espaço de trabalho. Ao criar um ambiente inclusivo que cuide não apenas dos funcionários como membros do staff, mas também como indivíduos, as pessoas serão motivadas e encorajadas a retornar ao escritório. Alguns ajustes em seu espaço de trabalho podem fazer uma enorme diferença!

Descubra como podemos ajudá-lo a projetar um espaço de trabalho mais inclusivo

Contate-nos

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de usuário.

Você pode aceitar todas os cookies ou personalizar as configurações para alterar suas preferências. Saiba mais em nosso Cookie Statement.

Personalizar