Design para a neurodiversidade: locais de trabalho construídos para inclusão

Partilhar:

És único. Não há mais ninguém como tu no mundo. Pensas de uma forma específica, faz as coisas de acordo com o que sentes, e reage em conformidade.

A importância de se concentrar nas pessoas como indivíduos tem sido acentuada pelos efeitos da pandemia. As empresas estão a dar prioridade à saúde e ao bem-estar dos trabalhadores, o que se reflecte em políticas flexíveis e acomodatícias. Mas a inclusão não pode ficar por aí. E as que têm neurodiversidades? É tempo de termos esta conversa - uma em cada sete pessoas no Reino Unido é neurodivergente e, globalmente, 90% das deficiências não são visíveis (NeuroTribos, Steven Silberman).

Não é segredo que alguns dos maiores pensadores e das pessoas mais bem sucedidas são neurodivergentes. Veja-se Elon Musk, que fez história e partiu a Internet quando anunciou no SNL que tem Asperger. No entanto, isso não o impediu - pode até ter-lhe dado uma vantagem sobre outros. "Devemos celebrar a neurodiversidade pelo que ela é - é uma superpotência", diz Vivek Menon, Global Product Management Director e líder da Neurodiversity Network na JLL. "As pessoas com neurodiversidades pensam sobre as coisas de forma diferente e pensam fora da caixa". São uma mais-valia para qualquer organização, mas as empresas precisam de conceber os seus espaços de escritório tendo em mente".

Ao projectar para a neurodiversidade, é importante compreender que as pessoas têm experiências sensoriais e que o design afeta os cinco sentidos. Manter em mente a luz, a acústica, a cor, as sequências, a compartimentação, as transições, o sensorial, os pontos de fuga e de reabilitação permitirão criar um espaço que não só funcione para aqueles com neurodiversidades, mas que funcione para todos e para as suas personalidades.

A utilização de luz natural em vez de iluminação artificial brilhante torna o escritório da Lenovo em Madrid, Espanha, mais confortável para todos.
Private booths are a good option for people who need to escape the noise of the office, like this one at PepsiCo’s office in Johannesburg, South Africa

Menon afirma este sentimento, dizendo que "quando se desenha de uma forma inclusiva, não ajuda apenas aqueles com mentes neurodivergentes, mas também aqueles que talvez tenham personalidades diferentes; podemos criar espaços para introvertidos, extrovertidos, e para qualquer um".

Prestar atenção à acústica de um espaço pode tornar um ambiente mais confortável para os sensíveis ao ruído, como os escritórios Facile.it que construímos em Milão, Itália.
A biofilia é central para o espaço que concebemos para o escritório da JLL em Manchester, Reino Unido.

"Esta ideia de design inclusivo e de design de espaços para pessoas neurodivergentes casa bem com o Código de Sustentabilidade da Tétris, que não só procura criar espaços de trabalho amigos do ambiente, mas também porque estamos a ter em conta a saúde e o bem-estar das pessoas quando os concebemos. Estamos a incorporar coisas como biofilia e espaços verdes, que não só atingem os nossos objectivos de sustentabilidade, como também ajudam o bem-estar, uma vez que está provado que o facto de estarmos em volta da natureza impulsiona o humor das pessoas, o que será uma grande ajuda para aqueles com neurodiversidades", diz Ines Cabrita, Chefe de Design da Tétris Portugal.

Bem-estar no cerne do design

Em lado nenhum isto é mais evidente do que no escritório da Natixis no Porto, onde Cabrita concebeu um desenho que torna o escritório um destino. "As pessoas que são neurodivergentes podem por vezes debater-se com a ideia de ir para o escritório, especialmente se não for um espaço acolhedor que possa satisfazer todas as suas necessidades. Quando começámos o projecto, eu sabia que era importante criar um destino onde as pessoas se sentissem inspiradas e desejassem verdadeiramente deslocar-se".

Para isto, Cabrita e a sua equipa de designers criaram um conceito de “village” para reflectir o negócio global da Natixis - cada aldeia engloba a cultura de um local onde a empresa tem escritórios e uma presença no mercado.

"Uma coisa que precisamos de compreender é quando se está a desenhar para a neurodiversidade, é preciso planear com os cinco sentidos em mente para criar uma experiência imersiva em vez de apenas um escritório em que as pessoas trabalham. Isto faz com que as pessoas voltem ao escritório porque sabem que existe uma experiência sensorial ou um espaço de trabalho que se adequa à sua personalidade, à forma como trabalham, e que irá acomodar qualquer pessoa que seja neurodivergente ou que tenha uma deficiência".

Cada uma destas “villages” não só tem espaços para o trabalho individual como para colaborativo, mas também tem elementos naturais encontrados em cada um destes países e dá-lhes vida, pelo que o design não é apenas inclusivo, mas também sustentável. Cada parte do escritório foi concebido tendo em mente o bem-estar, a inclusão e a neurodiversidade.

"Queríamos um lugar onde as pessoas pudessem realmente desligar-se", continua Cabrita. "Na “village” de Tóquio, recorremos à tradição das cerimónias do chá. Temos uma secção para as pessoas desligarem dos seus trabalhos e meditarem, ou simplesmente terem algum tempo calmo para si próprias. Estávamos conscientes de que muitas vezes, nos escritórios, as pessoas não têm a oportunidade de se desligar e relaxar totalmente, pelo que o tearoom era importante porque algumas pessoas podem experimentar uma sobrecarga sensorial. Nesta sala de chá sem Wi-Fi, os colaboradores podem deixar para trás a azáfama do mundo exterior e ter tempo para descontrair e recarregar baterias.

Desde os bazares de Mascate com zonas de chá aromatizadas e um espaço de duna de areia para relaxar, até à zona inspirada em paredes de cortiça do Porto, onde se pode desfrutar de uma acústica sim ruídos, todos sentidos foram pensados em todas as decisões de design.

Visualização 3D da aldeia de Natixis no Porto, Portugal - Mascate.
Visualização 3D da aldeia de Natixis no Porto, Portugal - Mascate.
Visualização 3D da aldeia Natixis no Porto, Portugal - Tóquio.

O segredo está nos detalhes

O design inclusivo irá motivar as pessoas a voltarem ao escritório após mais de um ano de teletrabalho. Se o escritório for mais do que apenas um local para trabalhar e permitir que as pessoas cumpram outros aspectos da sua vida, tais como exercício e socialização, as pessoas farão o esforço para o fazer. No entanto, o design inclusivo não é apenas uma questão de neurodiversidade - é também uma questão de acessibilidade.

"Trabalhamos para uma empresa global, mas nem todos entendem as mesmas línguas", diz Carolina Ferreira, designer da Tétris Portugal. "As empresas globais precisam de garantir que os seus sinais são compreendidos por qualquer pessoa que possa utilizar o escritório, independentemente da sua origem. Pode valer a pena explorar a utilização de símbolos universalmente compreendidos, juntamente com sinais escritos, para que todos possam compreender. Penso que todos poderíamos ir um passo mais longe e incluir sinais em Braille para que os deficientes visuais possam navegar num espaço mais fácil e possam chegar onde quer que precisem de estar - isto poderia realmente dar-lhes poder".

Reimaginar o seu escritório para pessoas neurodivergentes e pessoas com deficiência não só as beneficia, mas também a todos os que visitam ou utilizam o espaço de trabalho. Ao criar um ambiente inclusivo que cuide não só dos funcionários como membros do pessoal, mas também dos indivíduos, as pessoas serão motivadas e encorajadas a regressar ao escritório. Alguns ajustes no seu espaço de trabalho podem fazer uma enorme diferença!

Descubra como o podemos ajudar a conceber um espaço de trabalho mais inclusivo

Contacte-nos

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de utilizador.

Pode aceitar todos os cookies ou personalizar as definições para alterar as suas preferências. Saiba mais no nosso Declaração de Cookies.

Personalizar